Avaliação de déficit neurossensorial em pacientes com síndromes craniofaciais

Avaliação de déficit neurossensorial em pacientes com síndromes craniofaciais submetidos a avanço horizontal do mento

INTRODUÇÃO:

Embora os distúrbios neurossensoriais após genioplastias tenham sido avaliados em diferentes estudos, não existe uma padronização de como testar e classificar tais alterações. Por essa razão, a incidência de distúrbios neurossensoriais varia de 0 a 100%, dependendo da definição da lesão dos nervos, da sensibilidade do método diagnóstico e do período de seguimento. Portanto, o propósito deste estudo foi avaliar objetivamente o déficit neurossensorial permanente em pacientes submetidos a avanço horizontal do mento.

MÉTODO:

Foi realizado estudo retrospectivo de todos os pacientes submetidos a avanço horizontal do mento no Hospital SOBRAPAR, no período de 2009 a 2010. A avaliação neurossensorial objetiva do lábio inferior e do mento foi realizada com dois testes neurológicos (teste dos limiares de pressão de Semmes-Weinstein e teste de sensibilidade térmica). O déficit neurossensorial permanente foi definido como testes clínicos anormais com no mínimo 12 meses de pós-operatório.

RESULTADOS:

Foram avaliados 13 pacientes, sendo 8 deles portadores de síndromes craniofaciais. Houve predomínio de pacientes com os testes de sensibilidade tátil à pressão e térmica (quente e frio) normal (P < 0,05). A análise dos pacientes sindrômicos revelou que a maioria teve o teste de sensibilidade tátil à pressão normal (P < 0,003), não existindo diferenças no teste de sensibilidade térmica (P = 0,317). Não foram identificadas diferenças entre as regiões anatômicas com testes de sensibilidade anormais (P > 0,05).

CONCLUSÕES:

A maioria dos pacientes apresenta sensibilidade tátil (pressão e temperatura) do lábio inferior e mento preservada 12 meses após terem sido submetidos a avanço horizontal do mento.

0 respostas

Deixe uma resposta

Gostaria de participar?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *